como-se-comunicar-com-cores

Como se comunicar com cores

Teoria e psicologia das cores, já ouviu falar? Ela parte do entendimento que cores têm efeitos psicológicos sobre nós, ou seja, que provocam e estimulam sentimentos. Essa é uma teoria muito comum não apenas na arte, mas também no marketing e design, lógico. 

Não vou entrar muito nos detalhes técnicos, mas se pararmos para pensar bem, uma cor pode levar seu olhar para uma imagem ou ponto específico, evocar um estado de espírito ou emoção, organizar coisas e comunicar algo.

Quer um exemplo: uma frase riscada de vermelho pode indicar algo errado, a luz vermelha no semáforo = pare. E uma caixa em formato de coração vermelho com uma faixa de cetim vermelha? Viu só, seu cérebro criou uma imagem e ela significa algo pra você. E se eu mudasse a cor dessa caixa para amarelo? Significaria a mesma coisa?

Segundo a escritora e cientista social Eva Heller, autora do livro A Psicologia das Cores:

“Não existe cor destituída de significado. A impressão causada por cada cor é determinada por seu contexto, ou seja, pelo entrelaçamento de significados em que a percebemos.”

Eva Heller

Mas a pergunta é como usa essa cores para se comunicar.

Primeiro precisamos levar em conta vários fatores sociais e culturais para que uma cor tenha determinado efeito e uma pessoa. O branco é um exemplo clássico de significados distintos entre ocidentais e orientais. Então, antes de mais nada, pesquise seu público alvo. Esclarecendo essa parte, vamos a alguns significados segundo Eva Heller:

Azul,
“A cor feminina e das virtudes intelectuais.”

Simpatia, harmonia e fidelidade. Pode também ter um efeito de algo distante, no sentido de horizonte infinito, ou de simbologia cristã nas vestes das madonas. Sem contar com algumas ambiguidades, o feminino do azul Maria Antonieta, ou a realiza do Azul real, em contraste com o azul operário no nascimento do jeans. Outros significados: divindade e fantasia.

Vermelho,
“A cor de todas as paixões – do amor ao ódio.”

Pode significar felicidade, perigo, o sangue, vida, nobreza e ricos, luxo, agressividade, guerra, sexo, liberdade dos trabalhadores, correções, o dinamismo, artistas.

Amarelo, a cor da contradição

Do otimismo, do ciúme, da juventude, da recreação, do entendimento e da traição, do ouro, da inteligência, da maturidade, da inveja, do ciúme, da advertência, do masculino e imperial da China, do envelhecido, dos artistas, do criativo e do açafrão: a rainha das plantas.

Verde, muito além da sorte

A cor da burguesia, do que é venenoso ou sagrado, da natureza, da saúde, “dos negócios que florescem e da fertilidade”, da fertilidade, da esperança e do frescor, da imaturidade dos jovens, do amor precoce, da esperança e da calma, da liberdade e da sorte, do que é funcional e do “siga em frente”.

Preto a cor do poder

Da escuridão e da morte, do fim. Ao mesmo tempo da elegância e da moda. “A cor predileta dos designers e dos jovens.”

Branco

Para o minimalismo, limpo e esterilizado, do vazio e da leveza, dos bons espíritos, do status (coladinhos e coletes brancos), da ressurreição, da pureza.

Laranja
“Exótica e penetrante – e no entanto subestimada.”

É a cor da recreação e da sociabilidade, do puro sabor, da educação, do outono, da transformação. Também pode ser associada a má publicidade.

Violeta
“Cor mista, com sentimentos ambivalentes”

“Do feminismo e do movimento gay.” da pertinência e da sobriedade, ao mesmo tempo, dos hematomas e violência. Também associada à vaidade, ao poder, a tecnologia, a magia, das pessoas originais, dos artistas e inconformistas.

Rosa

Da delicadeza, da feminino caricato, do charme e da grandeza, do erótico e da nudez, da gentileza, da infantilidade suave e pequenina, do sentimentalismo e dos milagres, dos confeitos e do criativo.

Dourado: dinheiro, luxo e sorte.

Brilho, da fama e da ostentação, do sol, da beleza e do deslumbramento.

Prata,
“Mais singular e mais elegante que o dourado”

Velocidade, dinheiro, luz da lua, do segundo lugar, do brilho moderno e do cinza embelezado.

Marrom, a cor do aconchego

Da burguesia, onipotência, do forte sabor, do chocolate, do amor secreto, da pele bronzeada e do vintage (sépia). Mas também pode significar burrice, pobreza social e da pessoa antiquada.

Cinza, a cor “de todos os sentimentos sombrios”

Do que é terrível, cruel e insensível, do que está secreto ou antigo. Mas também das teorias, da modéstia e da metafísica contra a física.

Cores no cinema

Veja no vídeo abaixo como o cinema usa as cores para causar sentimentos de forma sutil:

COLOR PSYCHOLOGY from LillySeara on Vimeo.


Ufa, são muitos os significados, perceba que muitas delas têm conceitos contraditórios, tudo vai depender de como você vai trabalhá-la harmonia com outras cores, formas, imagens e letras.

Gostou da nossa analise de significado de cores? Comenta aqui, vamos amar saber sua opinião.

Até a próxima,
#SejaInfinito

Seu comentário

Seu email não será publicado. *